email home
 
 



Persas, verdadeiros gatos de pelúcia

O nome vem de sua origem na Pérsia, que atualmente é a república islâmica do Irã. Os primeiros exemplares dessa espécie foram levados para a Itália por Píetro Della Valle, em 1700.

persa

A história dessa raça tem inicio no século XVII, quando um viajante italiano chamado Pietro Della Valle,  passou pela Pérsia (atual Irã) e trouxe consigo alguns dos belos gatos que andavam pelas ruas locais. Ao chegar à  Itália, imediatamente esses gatos ganharam a simpatia das pessoas devido a sua pelagem macia e brilhante.

Porém, a moderna raça persa surgiu somente no século XIX, quando esses gatos criados na Itália foram levados a Inglaterra, onde sofreram cruzamentos com gatos da raça angorá (gatos de focinhos longos e pelagem longa). Logo em seguida,  foi feito um trabalho de melhoramento genético,  visando se obter maior variedade de cores e padrões de pelagem. Há hoje.  mais de 100 diferentes combinações de cores para gatos dessa raça, variando desde o branco até o malhado (escama de tartaruga). Na verdade,  este gato nada mais era do que um exemplar de pêlo longo e espesso e com cara­cterística facial e corporal bem diferente do que vemos hoje. Só após um século,  é que se iniciou o cruzamento seletivo com gatos Angorás, para se obter uma pelagem mais fina e sedosa e para se traba­lhar na composição das cores. Na Inglaterra, eles têm o nome de Gatos de Pêlo Longo e cada cor desses gatos, representa uma categoria da raça. Já em países da Europa, Estados Unidos e Brasil, todos esses gatos,  com as mesmas características de padrão da raça,  recebem o nome de Persa, e o que varia é a cor. Sabe-se que sua criação profissional, com cruzamentos planejados, só começou em 1871, com um conjunto de criadores,  que fizeram um trabalho de seleção genética, para se obter um padrão de raça,  para comercializa­ção e exposição. A criação do gato Persa foi uma invenção do homem, ou seja, uma criação científica, com objetivos específicos de se obter um animal calmo, bonito,  dócil e de características definidas: a cara chata e nariz achatado, colocado na linha inferior dos olhos; orelhas redondas e bem separadas; pelagem comprida, fina e sedosa,  corpo roliço,  com patas grandes e redondas. Desde o reconhecimento da raça, a sua ascensão é notória e quando se fala em gato de raça, logo se associa ao gato Persa. Ele vem habitando nossos lares e cada vez mais, tomando seu verdadeiro lugar.  como animal de estimação da Nova Era. Eles são os mais vendidos e procurados no mundo todo e continuam no pódium dos gatos, como o Número l, não só em vendas, mas também,  como o mais querido e mais requisitado nas suas diversas tonalidades de cores. Acredita-se que ele seja o companheiro ideal para a sociedade mo­derna: não mia, não pede passeio ou brincadeiras, está sempre no seu mundo solitário, simplesmente querendo sua ali­mentação, que geralmente é ração super premium (qualidade da ração), pois é de melhor valor nutritivo, uma água fresca e um bom lugar para dormir.
O cuidado principal do dono é com a sua pelagem, que requer escovação regular e banhos freqüentes, para que seus pêlos não criem nós. Mantendo-o sempre asseado e alimentado, é um ser que não dá problemas e que por muitas vezes parece nem existir: um perfeito gato de pelú­cia, que se adapta muito bem a apartamentos, espaços fechados e pequenos.O gato persa é o que a Gatologia chama de gato cobby. O termo vem do inglês cob, usado para designar cavalos robustos , com pernas curtas. Na prática, cobby quer dizer tipo físico brevilíneo. Repare no persa, encorpado, com peito amplo, pescoço pouco comprido, pernas grossas e curtas em relação ao corpo. O fato do Persa ser cobby, dificulta a sua capacidade de salto, portanto ele pula alturas mais baixas do que os demais gatos. A raça persa foi a primeira raça de gato desenvolvida no mundo pelo homem e também foi a primeira a chegar no Brasil.
No início da  formação do Persa, no século XIX, ele não tinha a aparência atual. Ele era bicudo e corpo comprido. Tendo como objetivo da raça,  as formas “redondas”, é que se iniciou a criação,  através de acasalamentos selecionados. Os olhos do persa são grandes, redondos, bem frontais e distantes um do outro. Tais características muitas vezes causa eventuais problemas no sistema lacrimal.. O nariz achatado é  característica marcante do gato persa, obra da criação. As orelhas são pequenas com pontas arredondadas.

O persa é classificado  em 3 categorias, basicamente:
Persas Extremados, para Exposição ou Show: trata-se do gato que possui todas as características do padrão estabelecido acima; gatos aptos a participarem e estarem colocados entre os melhores exemplares da raça, nas Exposições Internacionais de Julgamento.
Gatos Breeder: gatos que possuem excelente linhagem; ou seja, filhos de grandes campeões, ou que nasceram na mesma ninhada dos gatinhos Shows, mas que não são exatamente como exige o padrão ideal: possuem o narizinho um pouco mais para baixo, ou orelhas um pouco maiores, por exemplo; mas que tem um excelente pedigree, atestando a pureza da raça e qualidade de sua linhagem, e que possuem carga genética boa o suficiente para gerar filhotes Show, mesmo que ele próprio não seja considerado um exemplar desse padrão.Gatos Pet ou de companhia: gatos persas, com ou sem pedigree, que, embora filhos de pais persas também, não possuem em sua descendência gatos dentro do padrão ideal e que, provavelmente (em genética, falamos sempre de possibilidades, nada pode ser afirmado com veemência), nunca gerarão filhotes com padrão Show, ou extremados. Trata-se dos persas com nariz mais alongado, orelhas maiores, corpo mais delgado, embora possam apresentar a linda pelagem.
CORES:                    (Obs:        Veja maiores detalhes em:
sólidos, bicolores e tricolores, silvers e tabby, neste Site)

As cores dos persas podem variar bastante: brancos, pretos, azuis, vermelhos, escamas... Marcas tigradas, que fazem com que as cores sejam mescladas com listras mais claras e mais escuras... Ou os smokes (fumaças), onde a raiz dos pêlos é branca, e a cor aparece nas pontas dos pêlos, dando um ar de leveza à coloração da pelagem... e ainda, as cores partidas com branco, como os bicolores e os cálicos (duas cores bem definidas, mais branco). Todas essas variações podem vir isoladas, ou associadas entre si.
Mediante todas estas características físicas e comportamentais, concluímos que ter um Gato Persa, é ter um Bichinho de Pelúcia, vivo, ao nosso lado.


gato
Texto escrito por Marisa Paes – Consultora da Revista Cães & Cia.

 

e Sólidos
w Bicolores e Tricolores
q Silvers
enfeite Tabbys

26556

 
 
etica