email home
 
 

Miaurisa (Marisa Paes)

Quadro1 




Castração: SE VOCÊ AMA SEU GATO,

CASTRE-O!!!

À primeira vista este conselho parece ser um absurdo. Se pensarmos através da lógica, ficaríamos surpresos em imaginar, que alguém que realmente ama seu gato, tem coragem de castrá-lo. Mas, embora fuja à lógica, a premissa é verdadeira e necessária, basta entender a reprodução felina: as gatas de rua reproduzem a cada 3 meses, uma média de 5 a 6 filhotes, por ninhada, filhotes estes, que com 6 meses de idade, estarão prontos para a reprodução. De uma única só gata, que vive solta e entrando no cio regularmente, teremos uma média mínima de 20 filhotinhos e 200 descendentes por ano, ocorrendo a superpopulação felina. Não somente a fêmea deve ser esterilizada, mas também o macho, que numa só noite acasala com várias fêmeas, tornando-se pai de inúmeros gatinhos, que provavelmente viverão nas ruas, pois não conseguirão um lar que os adote. Desta forma, o proprietário de um gato SRD, deve sempre ter em mente, que a castração para o macho e a esterilização para a fêmea é sempre a melhor saída. Existem muitas vantagens para os gatos que se submetem à castração ou esterilização: 


ausência dos comportamentos do cio: movimentação constante, vocalizações, nervosismo e fugas;
evita gestações indesejadas;
evita a superpopulação;
evita a eutanásia (extermínio);
evita o risco de infecções e traumas do coito;
evita complicações de gestação e parto;
evita infecções uterinas, como a piometra;
diminui o risco de tumor de mama;
evita estresse físico e emocional;
o animal fica mais caseiro, acabando com as fugas, que freqüentemente levam a atropelamentos e maus tratos.

Devemos entender as fases da vida de um Gato: Isto significa, que após seis meses de idade, dependendo da raça, tanto macho quanto fêmea estão aptos à reprodução e passam a sofrer as “dores do amor”. As fêmeas ficam sem comer, esfregando-se em tudo, à procura de um “namorado” e os machos começam a marcar o território, isto é, urinam em lugares indesejáveis, como sofás e cortinas, tudo isto para demonstrar a sua virilidade e atrair eventuais fêmeas que estejam nas redondezas. Quando iniciam esta atividade não há o que os faça parar com este hábito, só mesmo a castração. Muitos proprietários pensam que arrumando uma fêmea para o acasalamento, resolve-se o problema. Triste engano! Um macho precisa ter pelo menos meia dúzia de fêmeas, para revezamento, isto porque os Gatos, como os outros animais, acasalam somente para perpetuação da espécie. Logo, uma vez encerrado o coito, se ocorrer a ovulação da fêmea, esta não mais aceitará os “carinhos” do macho e ele precisará de uma nova namorada.
Em relação à fêmea, em idade adulta, ela entra no cio, várias vezes no ano, ou seja, ela é poliéstrica estacional, sendo que nos meses mais quentes, com dias mais longos, os cios ocorrem com maior freqüência. Pesquisas comprovam que quanto mais luminosidade, mais facilidade das fêmeas entrarem no cio. Se o dono não deseja mais “gatinhos” em casa, o momento ideal para castração seria por volta dos dez meses de idade, tanto para o macho como para a fêmea, embora muitos veterinários orientam para que seja mais cedo ainda. O macho castrado precocemente tende a adquirir um porte maior, isto porque o hormônio masculino é que encerra o crescimento do animal. No caso das fêmeas, é bom não acasalar antes de um ano de idade, porque param de crescer, devido estarem em fase de desenvolvimento na sua estrutura física e todos os nutrientes ingeridos irão diretamente para os filhotes. 
Experimentos demonstram não haver problema algum na esterilização da fêmea, antes mesmo de ter gestado ou amamentado. Ao contrário, castrá-la antes mesmo do primeiro cio faz com que fique menos propensa a tumores de mama. Quanto ao fato de operá-la durante o cio, pode ser feito, mas não é recomendável, pois seus órgãos reprodutores estão mais volumosos e ativos e pode correr o risco de hemorragia.
  
         Como toda cirurgia, o risco que se corre é do anestésico, mas a anestesia inalatória é a mais segura. No que diz respeito ao método cirúrgico, o ideal é a retirada do útero e ovários (ovário-histerectomia), pois se não houver a retirada dos ovários, ela continuará entrando no cio, embora nunca mais possa engravidar. Isto seria um contra senso. Se realmente optarmos pela esterilização, que ela seja definitiva e que não venha a prejudicar o animal. No caso dos machos, tudo é muito mais simples: faz-se a extração dos testículos (orquiectomia: castração dos machos), com o objetivo de pôr fim aos impulsos sexuais e torná-lo infértil. Existe ainda outra intervenção, que é a vasectomia, que consiste em seccionar os canais responsáveis pelo transporte do sêmen dos testículos até a uretra. Esta cirurgia gera infertilidade no gato, mas não modifica seus hábitos de passeios noturnos, nem inibe a vontade de acasalamento, por isto, esta prática na minha opinião, é insatisfatória. Quanto às técnicas de sutura no macho existem duas formas: com pontos por fora ou, de preferência sem pontos externos, para que o gato não fique se lambendo, tentando retirá-los. Portanto, trata-se de uma intervenção sem perigos, com a duração de meia hora ou menos, com anestesia geral. Depois de dez dias, a fêmea já pode retornar ao veterinário para a retirada dos pontos, que deverão estar bem secos. Já o macho terá a cicatrização interna em três dias, e se foi utilizada a técnica sem pontos externos, ele estará bem, ou então basta retirá-los, após uma semana..
  
         O que se observa após a cirurgia, é um certo aumento de peso, tanto em machos como em fêmeas, devido a vida menos ativa e também pela tendência à obesidade que muitos gatos persas possuem. Mas nada disso é problema diante de uma decisão que deve ser tomada pelo proprietário. Alguns momentos de brincadeiras com seu Gato, serão o suficiente para exercitá-lo e fazê-lo gastar energia e se isso não der resultado, aí estão, no mercado as rações específicas para Gatos Castrados. Sabe-se que fêmea e macho ficam mais calmos, mas não perdem o carinho e afeto que têm pelo seu dono, ao contrário, a castração vai lhes garantir mais tempo de vida e com muito menos riscos de pegarem doenças fatais. No macho, após a castração, a urina perderá o odor característico da masculinidade e ele passa a urinar no lugar certo. Ficará mais caseiro sem perder o instinto que alguns possuem para caça. Eu, Marisa Paes, como criadora profissional de Gatos de Raça, destaco que ao se adquirir um gato, é imprescindível saber para quê se quer este animal e se a pessoa tem condições de atendê-lo em suas necessidades. A maioria dos Criadores de Gatos de Raça possuem três tipos de Gatos para venda: 1º- os “pets”, seriam os Gatos para companhia, ou seja, animais que embora possuam pedigree, não têm tipo físico característico da raça, isto é, alguns “defeitinhos”. No caso dos gatos persas poderíamos citar como exemplo, um nariz mais baixo, maior do que é o normal do padrão da raça. Estes filhotes serão vendidos por preços bem inferiores à cotação da época, chegando a custar 50% menos que um Gato “show”, que curiosamente pode ser o seu irmão de ninhada. O 2º tipo seria o Gato “breeder”, ou seja, o Gato que tem uma ótima linhagem, que está apto para ótimas crias, mas ainda não possui os quesitos exigidos para apresentação nas pistas de Exposições. Já o 3º tipo seria os Gatos “modelos”, ou seja, os perfeitos “shows”. São como lindas “Misses”, com medidas corretas, visual belíssimo, pelagem, cor, aparência, peso, tudo formando um conjunto harmônico, digno de um campeão. Estes últimos pertencem à classe mais valorizada, por isso mesmo, bem mais caros que os anteriores. Dentre estes três tipos opcionais para a venda, os “pets” seriam os mais indicados para castração, isto porque foram adquiridos para companhia do ser humano e não para reprodução, que é o caso dos “breeders” e muito menos os “shows” que participam em pistas. Desta forma, é necessária a conscientização do proprietário para tal decisão.  Amar um animal é também tomar a decisão certa sobre a sua sexualidade. O ser humano escolhe o seu par e a quantidade de filhos que deseja ter. Cabe ao dono do Gato, tomar esta decisão por ele. Todo Gato merece um dono responsável e esta responsabilidade requer também o uso da razão. Ao encaminharmos nosso gatinho ou gatinha à mesa de cirurgia, nas mãos de um veterinário de nossa confiança, estamos na verdade garantindo uma vida prolongada e sem sofrimentos. O Gato deve morar no nosso coração, porém as decisões quanto à sua reprodução é por nossa conta. Cabe também ao Veterinário do gato, fêmea ou macho, conscientizar o seu dono, sobre a importância de ter um animal castrado em casa. Deve realmente convencê-lo, de que se trata de um ATO DE AMOR. Deve fazer o proprietário entender, que se o gato pudesse se comunicar verbalmente com ele, lhe pediria para que tomasse tal atitude: a Castração.

O gato é que leva a culpa, daquilo que o homem não tem conhecimento !!!
Dentre os animais mamíferos que conhecemos, certamente o gato é o possuidor do “sexto sentido”.
Para nós humanos, vivendo num mundo em que apenas é real o que se pode comprovar, é difícil entender uma criatura como o gato, que além dos nossos famosos cinco sentidos, também se utiliza do “sexto”. A forma que tem para isto lhe é muito peculiar. De repente, num ambiente calmo, onde parece não haver rumores, nem movimentos, eis que o gato eriça seu pêlo, mantendo-se na posição assumida frente ao inimigo, com a coluna arqueada e o pêlo teso. Com certeza, este ato é atribuído às suas capacidades visuais, auditivas e de percepção de vibrações, bem mais desenvolvidas do que a nossa. Portanto, quando ele eriça a pelagem em sinal de alarme, está reagindo às vibrações ou ruídos imperceptíveis à espécie humana. Obviamente, temos que reconhecer a sua inteligência e intuição de que é dotado. Logo, não devemos nunca desdenhar da inteligência de um gato e julgá-lo, por exemplo, inferior à capacidade de um cão, pois ele reage de forma diferenciada, exatamente porque sua linguagem é singular.

O Ronronar
Outra característica marcante da personalidade felina é o famoso ronronar. Quem tem um gato sabe o quanto é gostoso ouvir o ruído tranqüilizante da língua do “R”. Ele se expressa com repetitivos “Rsrrrrr...”, sonoros e aconchegantes, parecendo uma melodia de ninar. Na verdade, esta é a sua música. O prazer e a alegria que sente exteriorizam-se num prolongado “PURRR...”. Só que infelizmente, não é só de satisfação que ele ronrona, mas também por dor e solidão. Porém, é muito fácil identificar se é alegria ou insatisfação o que sente, pois quando ele faz este barulho perto do dono e procura aconchego, devemos aproveitar este momento, pois significa que quer compartilhar conosco deste momento de felicidade. Ao contrário, se ele se esconde e não quer conversa com ninguém, pára de se alimentar e procura estar sempre só, o ronronar comprova ser preocupante e logo um veterinário de confiança deve ser consultado. Por causa deste ruído, durante séculos, para o homem, o gato foi o vilão dentre os animais. É preciso desmistificar o fato de que o gato tem e causa asma. Pessoas menos informadas passaram tais informações e parece que estes tabus foram passados de geração à geração e muita gente, ainda hoje, em pleno ano 2009, não tem a companhia de um gato, só de medo de pegar tal doença. Tudo por não saberem traduzir esta linguagem, sem ser igual, que só os felinos a possuem, que é o ronronar. O gato ainda sofre a injustiça do homem, por ignorância e falta de informação a respeito. Ninguém havia pesquisado sobre este som abafado, que é produzido pela dilatação de uma veia localizada próxima às cordas vocais, que vibra quando o animal está feliz ou doente. Logo, crendices populares repercutem facilmente, mas nem sempre são verdadeiras e a pesquisa científica está aí para provar o contrário. Gato faz bem à saúde dos humanos e pesquisas recentes comprovam que pessoas que convivem com animais e especificamente com o gato sofrem menos de “stress” e dificilmente morrem de infarto do miocárdio.

Toxoplasmose
Outra doença também atribuída ao gato, na transmissão ao homem, é a toxoplasmose. Muitos alegam que o gato passa o toxoplasma, que é um protozoário, à espécie humana, pelo fato do gato ser um hospedeiro definitivo. Realmente muitos gatos de rua são portadores da doença, porém é bom saber a forma de contágio. Para que haja contaminação é preciso ter contato com as fezes do gato, mas especificamente pela ingestão oral das mesmas. Creio que ninguém seja tão desajuizado de não ter bons hábitos higiênicos, esquecendo-se de lavar as mãos, após a limpeza da bandeja santária e depois a coloque na boca, para que seja contaminado. Comprovo ainda que o cisto do toxoplasma que sai nas fezes não é infectante no primeiro dia, que é quando limpamos a caixinha, mas só depois de pelo menos três dias no meio ambiente, para que se torne infectante. Acredito que ninguém deixe, três dias uma bandeja sem ser limpa, mesmo porque um gato não reutiliza um banheiro sujo. Ele é por natureza um animal limpo e exige higiene também de seu dono. Não nego a possibilidade de contaminação da toxoplasmose no homem, através do gato, mas é tão remota a possibilidade, por ser através de via oral e por ingestão de fezes, que julgo ser bem mais fácil nos contaminarmos por verduras e legumes mal lavados ou carnes mal passadas, enquanto que parquinhos com tanques de areia, expostos ao relento, já oferecem tal possibilidade, devido aos passeios noturnos dos gatos de rua, que lá defecam e que podem estar infectados pelo toxoplasma.
Culpar o gato de ser o transmissor de várias doenças, foi durante séculos apenas poucas das atrocidades que o homem fez ao gato. No entanto, não parece que ele se preocupe com isso, pois tem sobrevivido a tudo ao que lhe condenam e está cada vez mais assumindo o seu verdadeiro papel na sociedade humana. A natureza o retribui com suas belíssimas cores e raças, fazendo com que o porte físico e psicológico esteja cada vez mais evoluído e o “bicho homem” se encante e se apaixone mais e mais e queira incondicionalmente ter um bichano a lhe fazer companhia.

Textos exclusivos elaborados por Miaurisa da Casa do Gato e que foram publicadas nas mais famosas Revistas Pets do Brasil.















 



22609

 
 
etica